de um aviso pornográfico…

© google | Tomo II
caríssima(o),
agora que captei a tua melhor atenção, vamos ao que interessa, sendo que serei sintético (dentro do possível)
no início desta semana, fui confrontado com este aviso (aqui), o qual foi comum a todos quantos possuem blogues afectos à plataforma blogger, administrada pela Google.
este espaço de discussão alia (e versa, também, sobre) duas vertentes nitidamente masculinas: Futebol (entenda-se FC Porto) e gajas boas não necessariamente sobre esta ordem de ideias.
gajas que não são de Ermesinde, gajas boas (bem boas) e que são do FC Porto e prognósticos (um tanto ou quanto) sexy’s são três categorias deste espaço que, pelo seu (rico) conteúdo poderão colidir com os argumentos invocados pelos… como deverei classificá-los e/ou adjectivá-los, ma sem ser alarve?… pudicos (?) castos (?) virtuosos (?) imaculados (?) artolas da Google.
perante este facto, que será consumado a 23 de Março do corrente ano, alguns de vós fizeram-me chegar alguns gentis comentários e fervorosos e-mails, apelando a que reconsidere a publicação das categorias em causa e que, no limite, as elimine.
a razão principal subjacente a todos esses pedidos é a de que (mais palavra, menos vírgula) ficar sem as gajas será sempre um mal menor, uma vez que o blogue é extremamente dedicado no que ao quotidiano do FC Porto diz respeito. e impossibilitar o acesso ao seu arquivo e já considerável espólio, principalmente a quem o visita por Bem, não é de todo desejável.
só por si, estes apelos e sem falsas modéstias, enchem-me de orgulho e conferem-me um alento suplementar para continuar esta saga com energia redobrada, a qual se iniciou em Julho de 2008
assim sendo e pelo exposto, confesso-te que estou hesitante em eliminar todas as postas das categorias em causa, sobretudo porque sim! e depois porque me deram algum trabalho, não só a compilar a informação  (mormente visual) nelas inserida, como a redigi-las com todo o apreço e todo o carinho que me merece(ra)m. e também porque, apesar da nudez (na sua maioria explícita), não as considero pornográficas  pelo menos no que depreendi que os estroinas da Google se referem a propósito desta vertente.
portanto, estarei expectante por aquela data, mantendo a intenção de não apagar seja o que for que já publiquei e, também, por uma questão de orgulho besta. a partir da data em causa – 23 de Março – saberei/saberemos se este espaço permanece público ou se se torna privado, com necessidade de muita burocracia para ser consultado…
entretanto, por uma questão de prevenção/precaução e porque certamente terei acesso limitado e muito restrito ao universo Google, já estou em testes, noutra plataforma que não a blogger, para um possível Tomo III
e pronto. era tão-somente isto que te queria transmitir. 
e partilhar contigo que hesitei no título da presente posta de pescada®, com a segunda hipótese a recair no sintomático sexo grátis
e que a imagem que a embeleza representa um cartaz verídico, localizado próximo de uma reserva aborígene, no Norte da Austrália, onde o álcool e materiais de cariz pornográfico são proibidos.
disse!

e tu, atreves-te?

© Tomo II
(clicar na imagem para ampliar)
está à distância de um clique (aqui).

em suma:

quantos mais de nós manifestarem publicamente e junto de quem de Direito, a nossa revolta e a nossa indignação, melhor.
e mais chances haverá de a nossa denúncia poder surtir o efeito desejado.

(para além de que estaremos a contribuir directamente para levarmos o axioma que reza assim: não perguntes o que o Clube pode fazer por ti, antes mas o que podes fazer em prol do Clube ao seu expoente máximo)
disse!

Basileia, meu amor (*)…

© filhos do dragão | Tomo II
caríssima(o),

como já o referi aqui, em Dezembro de 2013, nasci verdadeiramente para este Amor incondicional pelo FC Porto, a resposta surge pronta: 16 de Maio de 1984, próximo das 22h. o nosso clube do coração acabara de perder, para mim de forma inglória, a final da (agora extinta) Taça dos Vencedores das Taças, ante a toda-poderosa Juventus (clube que, na minha opinião, em Itália, tem o mesmo significado que o 5lb em Portugal).
como a minha mãe não se cansa de o repetir (e de mo relembrar, com saudade) foi uma noite de baba e ranho, tinha eu uns estóicos nove aninhos – era um homenzinho crescido e já comia à mesa (e, por vezes, algumas lamparinas. e algumas lagostas, também. amiúde, umas lostras. já bufardos era só quando me portava mal).
mas, por cada lágrima vertida naquela noite e não terei sido o único a fazê-lo; haverá homens feitos que, naquela altura, também terão regressado à sua infância , o nosso clube de Sempre (re)compensou-nos com «um livro de honra, de vitórias sem igual». e felizmente que já têm sido muitas. adiante.

para memória futura e para quem tiver interesse e/ou quiser reviver estórias desse nosso Passado (recente), deixo aqui e aqui dois interessantes artigos sobre Basileia/1984.

já para o encontro de logo à noite, numa partida que terá (pelo menos) 180 minutos, comungo das expectativas cautelosas dos caríssimos Jorge (Porta19) e dragão Vila Pouca.
mais do que assomos de uma sobranceria bacoca, este FC Basel deverá impor-nos muito respeito e como muito bem referiu Julen Lopetegui, na antevisão desta primeira parte. aliás, tenho para mim que a legítima ambição de Paulo Sousa é idêntica à do nosso treinador, e vice-versa no sentido em que «ambas as duas» equipas, como não são consideradas candidatas à vitória final, pretendem fazer um brilharete na competição em disputa, visando atingir a fase seguinte e nada mais do que esse objectivo (um pouco como o «jogo-a-jogo»).
acima de tudo, o que pretendo é que a equipa principal de futebol profissional do FC Porto tenha um comportamento, dentro de campo, em tudo idêntico ao dos miúdos dos sub-19 (escalão júnior), ontem, em Madrid, para a UEFA Youth League.
foram verdadeiros graúdos e estão de parabéns! pelo feito almejado.

entretanto e num outro diapasão, a edição impressa desta Quarta-feira, do pasquim da Travessa da Queimada traz dois artigozinhos que não posso deixar de bitaitar, sequer passar em claro o que neles é insinuado.

o primeiro, da autoria de pedro soares (aqui), aborda as 20 principais guerrinhas do burro do Carvalho desde que chegou ao poder da agremiação desse reino muito distante dos viscondes falidos (e impolutos) de Alvaláxia®. note-se que não referi (propositadamente) presidência, pois que este é um cargo que pressupõe, entre outros, sentido de Estado e de responsabilidade faculdades que o indivíduo clara e inequivocamente não possui, comportando-se como o pior dos cacifeiros calimeros, quando deveria, acima de tudo, ser o exemplo primeiro da agremiação do Lumiar. aliás, ele é o exemplo primeiro e mor do actual spórtém, mas pelos piores motivos, como o dito artigo evidencia…
assim sendo, considero-o muito interessante pois que dá para perceber a autêntica besta que é o fulano em causa e no sentido estrito daquele termo (e sem ofensa para os asininos).


© pasquim do ‘sinhôre‘ serpa

(clicar na imagem para ampliar)

a mesma imagem com maior resolução aqui ]

o segundo (aqui) é da autoria de um indivíduo cujo apelido do seu nome remete imediatamente para água choca, tanta é a merd@ que vomita (também) pela sua boca imunda, porca, javarda, nojenta. aliás, tenho para mim que ele é o ignóbil Dâmaso Salcede do pasquim da Travessa da Queimada e conforme se comprova na imagem acima.
no artigo em causa (aqui), hoje voltou a manifestar publicamente o calhorda que é sempre que versa sobre o FC Porto.
a única forma simpática que encontrei para obstar a essa minha vontade inata (por que imediata) de o enviar (mesmo que mentalmente) para três ou quatro sítios que eu cá sei e onde, creio, ele se chafurdaria com um imenso à-vontade, foi de socorrer-me de uma citação do dumbo de Carnide, que eduardo ‘cutty sark‘ bOrroso trouxe à liça no dia de hoje.

ah! e, mais um dia que passa e que a direcção da SAD/Clube permanece num incompreensível silêncio perante a gravidade destes factos. e que o abjecto jornalixo tuga teima em encobrir, em dissimular, em não revelar, numa execrável violação dos deveres deontológicos a que a profissão obriga…

(*) título inspirado neste clássico dos lusos Da Vinci.
disse!

de, no FC Porto, não haver tempo para se ter Tempo…

«

[]


Há algumas coisas invisíveis, neste FC Porto, que são muito positivas e que mostram claramente dedo de treinador; uma delas é a qualidade de recepção e a qualidade de passe (seja curto ou seja longo)! 
É impressionante o salto qualitativo relativamente à época anterior! Nesta, a bola deixou de ter picos, os passes são genericamente bem feitos, as recepções raramente mal feitas, e tudo isto junto dá-nos tranquilidade para termos a bola.

Isto é trabalho de treinador.
Falamos de um treinador habituado a receber jovens com 16, 17 ou 18 anos, em Espanha e a transformá-los para poderem progredir no sistema das selecções principais. 
Falamos de um treinador habituado a ver erros técnicos (isto sim!, é que é técnica, que esta não é fazer fintas bonitas [para a maralha]) e a corrigi-los, fruto de anos a aperfeiçoar metodologias de treino, para melhorar (também) esses aspectos.

Desafio-vos a rever o jogo de Quarta-feira, ou a estarem atentos aos próximos jogos. 
As diferenças são abismais, ainda para mais numa equipa que joga debaixo de uma pressão tremenda de não poder perder qualquer ponto. Notável!

Deixem o homem trabalhar durante o seu contrato, mas mantendo exigências desportivas, como é óbvio. 
No fim estaremos agradecidos com o incremento qualitativo do nosso futebol!

29 de Janeiro de 2015, às 11h26m



[]


Acho que qualquer portista sabe que, fruto de várias circunstâncias, o onze base desta época é substancialmente diferente do da época anterior.

O onze base que fez a primeira metade da época passada e que foi treinado para isso na pré-época, incluía jogadores como Helton, Danilo, Otamendi, Mangala, Alex Sandro, Fernando, Defour ou Lucho (raramente os dois), Herrera, Josué, Varela e Jackson. Foi assim que preparámos aquela mal-fadada época, foi assim que a iniciámos. 
Do onze base desta época [ou melhor: o que tem sido consolidado nos últimos jogos], temos Fabiano, Maicon, Indi, Casemiro, Óliver, Tello e Brahimi (e tendo como referência os jogos pré-CAN). São sete jogadores diferentes. Repito: sete.

Os sete que não estão no onze base tinham uma média de idades (na altura) de 27,1 anos. Se incluirmos o Defour, a média sobe para 28. 
Os sete que entretanto os substituíram têm média de idades de 23.3 anos, à data de hoje. E não vale a pena falar na diferença de Qualidade, porque entraremos num domínio demasiado subjectivo…

Ninguém minimamente ponderado e intelectualmente honesto, pode exigir e sem qualquer desculpa, que os resultados sejam imediatos. 
Obviamente que queremos (todos!) ganhar; queremos empenho máximo; queremos títulos. Mas não podemos ignorar a transformação nem desatar a pedir cabeças a cada seis meses…

[É certo que não temos de ser uns carneiros], daqueles que só dizem bem de tudo. 
Ainda no meu comentário anterior fiz apreciações a algumas escolhas de ontem com as quais não concordei. Mas isso não implica que desatemos a “disparar em todas as direcções, como tantas vezes vemos, lemos, ouvimos…

Eu vejo muito trabalho nesta equipa. 
Vejo qualidade técnica, como já referi; vejo processos técnicos e tácticos, e que são a essência do futebol em competições de longa duração; e sobretudo vejo uma ideia. 
Mas também vejo um FC Porto que muda sete ou oito jogadores entre campeonato e Taça da Liga, e mantém a mesma estrutura de jogo; vejo jogadores a entrar na equipa nesses jogos para a Taça da Liga, e agora em Janeiro, e a mostrar que não temos de ter receio de algum titular poder estar castigado, porque quem está a entrar agora cumpre na perfeição o que está destinado [à  sua posição, no terreno de jogo].

Como afirmei num comentário anterior, acredito que vamos fazer uma segunda volta muito forte.
Obviamente que seis-pontos-seis continuam a ser uma distância muito grande, e que qualquer pequeno factor pode acabar [com qualquer réstia de esperança]. Mas, mesmo assim continuo a acreditar que poderemos encostar e criar dúvida, para fazer do jogo na luz (mais do que) uma final. 

E estou mesmo convencido que chegaremos a esse jogo em condições de passar para a frente.
Fica escrito, que é para depois não se dizer ah e tal!, eu sempre disse que isto ia correr bem/mal(escolher a opção depois de ver o que aconteceu).

29 de Janeiro de 2015, às 14h29m

»

caríssima(o),

aqueles são dois comentários do caríssimo magro vai ao ataque, no dragão até à morte e com os quais estou plenamente de acordo, subscrevendo-os na íntegra.

as ideias-chave estão lá e, no  meu entendimento, nada haverá a apontar por serem demasiado evidentes.

infelizmente, no nosso Clube do coração, no Presente, não se consegue arranjar tempo para se dar tempo ao Tempo, e por forma a que se colham os tão ansiosos frutos (igualmente desportivos) no Futuro, mesmo o mais próximo. a pressão (obrigação?) de Vencer e em todas as partidas que se disputem, assim o impõe pressão essa que também constrange os adeptos, mormente a nossa massa assoBiativa, impelindo-a a exigir este mundo e o outro sobretudo (e quase exclusivamente) nos momentos de derrota. e, já agora, a ser intolerante e extremamente crítica, batendo em tudo o que mexe igualmente quando surgem fracassos.
já agora e em jeito de adenda ao que foi dito pelo magro:

Rúben Neves. Ivo Rodrigues. Gonçalo Paciência. Ricardo Pereira.

quatro-nomes-quatro de jogadores portugueses, na sua maioria formados no Clube.
não me recordo, num Passado recente, de um treinador principal ter feito semelhante aposta e com consistência, na Formação. na nossa formação.
só por este exemplo, considero que Lopetegui foi bem-vindo! mas eu sou suspeito, pois que desde o início que o defendo, mais do que o criticar por dá cá aquela palha (inclusive e mormente a da perspectiva resultadista) pois que é o treinador do meu Clube e escolhido por alguém que tem mais anos de experiência no Futebol do que eu de vida. e porque eu sou adepto indefectível do Futebol Clube do Porto e não do FC [escolher nome de treinador e/ou jogador]

post scriptum pertinente:

esta posta de pescada® estava agendada para as 10h de amanhã, Sábado.

só que, entretanto e porque como não me canso de o (re)afirmar, é mesmo muito complicado escrever depois do caríssimo Vila Pouca…

assim sendo, esta posta® serve de complemento a esta aqui (e vice-versa).
e, já após ter escrito este ps, a estrouta aqui, da autoria do caríssimo Jorge Vassalo
(percebe-se que é mesmo um tema pertinentíssimo e extremamente actual, motivos mais do que suficientes para ter antecipado a publicação que estava agendada… faço votos para que seja do teu agrado!)

disse!

do ‘brasão abençoado’ do dia (e de um artigo bem fil(h)iado)… [actualizado]

© pasquim do ‘sinhôre‘ serpa
(clicar na imagem para ampliar)

i)

do tal artigo bem fil(h)iado (aqui), e sem qualquer «realidade aumentada»

ii)

do mais recente artigo de opinião de Jorge Coroado* (aqui), a partir a loiça toda. e mais uma vez

* (in)decentemente sacado do dragão até à morte(aqui).

e, para já, é só.

disse!