heptacachapante!®

© google
(clicar na imagem para ampliar)
© google
(clicar na imagem para ampliar)

© google
(clicar na imagem para ampliar)

© google
(clicar na imagem para ampliar)


© google
(clicar na imagem para ampliar)


© google
(clicar na imagem para ampliar)

© google
(clicar na imagem para ampliar)

© google
(clicar na imagem para ampliar)

© google
(clicar na imagem para ampliar)

© google
(clicar na imagem para ampliar)

© google
(clicar na imagem para ampliar)

© google
(clicar na imagem para ampliar)

e assim concluo esta tríade temática mundialista (pelo menos, por ora), com uma breve referência a algumas capas, de alguns periódicos, a nível mundial incluso a de um pasquim nacional , pela sua beleza inerente e pela forma como conseguiram retratar a humilhação futebolística de ontem, em Belo Horizonte.
confesso que a minha capa predilecta vai para a provocação argentina no olé!, a qual pode ser compreendida com a leitura deste artigo aqui.

a partir de amanhã, Quinta-feira, estaremos de volta ao quotidiano do nosso clube do coração. 

antes de me ausentar momentaneamente, para ir assistir ao encontro da alviceleste frente à sua congénere holandesa, refiro que o título desta telegráfica posta de pescada® inspirou-se no vocábulo acachapante e no seu significado.
disse!

Anúncios

heptamente!®

© google
© google
© google
© google
© google
© google

© google

caríssima(o),

que fique bem claro que nada me move contra o poBão brasileiro.

que fique bem claro que a minha felicidade não depende em exclusivo de um hipotético júbilo com as derrotas dos outros, sejam eles quais forem.

que fique bem claro que, enquanto o sr. alemão não me presentear com as suas (indesejáveis) visitas, não me esquecerei do que o «burro» do sOcolari fez com o nosso Vítor Baía.
e que não estou esquecido destas patéticas (por que absurdas e bastante ridículas) contradições federativas (contradição01 e contradição02).
e que, tal como o caríssimo dragão Vila Pouca, também eu estava há dez longos e penosos anos à espera da revanche para com um brasileiro que só soube desconsiderar o Clube que eu Amo. e que desassombradamente ainda o faz (por exemplo, com o encosto efectivo ao banco de jovens promissores como o Danilo ou o Alex Sandro, em detrimento de trintões como Maicon ou Marcelo…).

e, por último, que fique bem claro que também eu me convenço que, neste Mundial, o Futebol são onze contra onze e no final vencerá a Alemanha… e que será a angélica senhora que se segue quem mais o aplaudirá:

© google

sugestão musical:

The Clash, the magnificent seven

disse!

heptacular!®

© fifa | getty images

© fifa | getty images

© fifa | getty images

© fifa | getty images

© fifa | getty images

© fifa | getty images

© fifa | getty images

obrigado!, sOcolari! muito obrigado!

desde aquela vitória celta, em Vigo, que já não me recordava de um estrondo futebolístico como o desta noite – o qual certamente que ficará recordado como o mineirazo.
poderia evocar aquele calimero descalabro de Munique, mas como estamos a falar de equipas de futebol de 11 e não de futsal

e, sim!, para mim continuarás a ser um b-u-r-r-o! 

e para todo o Sempre! 

(e sem ofensa para os animais visados!)
disse!

de um pedido (muito) especial para hoje…

não vamos fonsecar“® um jogo muito importante, sff.
fonsecar“® » verbo transitivo com significado em tudo idêntico ao de complicar.

exemplo prático e elucidativo: o actual treinador do FC Porto tende a fonsecar“® (n)alguns jogos em que a vantagem teórica da coisa está reconhecida e comprovadamente do nosso lado.

disse!

do se «varelar o jogo»… [actualizado]


caríssima(o),

todas(os) nós sabemos, por experiência própria, que as reuniões de trabalho são uma tremenda seca, para lá da sua (in)discutível utilidade e produtividade. fazem-me recordar aquelas aulas de disciplinas normalmente ministradas por um professor chato como o car@…ças, com um tom de voz monocórdico, com matérias que não interessam nem ao Menino Jesus (sendo que esta não é uma referência àquele que se ajoelhou em pleno Estádio do Dragão). ou aqueles sermões dos meus pais, em que, a menos que houvesse uma valente “lagosta pelo meio, as palavras saíam mais rápido do que um sprint do Silvestre. de quem?! sim!, do Silvestre que o Varela há muito que apresenta intermitências e/ou anda arredado do/no reino do Dragão…

vem este ligeiríssimo intróito para manifestar o meu mais profundo desagrado com o que deveria ser uma excepção e, pelos vistos, está a ser a regra: as palestras do actual treinador do FC Porto para o grupo de trabalho sempre após resultados diferentes da vitória, sobretudo a sua componente pública (e mesmo que tal não se tenha verificado ontem; mas que a génese está lá, disso não há dúvida).
temo que esta frequência palestrante acentue um pouco mais um «certo e determinado» clima de crispação que se (pres)sente no grupo de trabalho, da equipa principal de futebol profissional do nosso clube do coração. a razão principal para esta minha observação prende-se com o lastimar a sua visibilidade exterior quando as mesmas, a haver necessidade da sua ocorrência, deveriam acontecer na santidade do balneário. e que se deveria preservar o seu secretismo, i.e., que se poderiam envidar todos os esforços, ao seu máximo, que transpirassem para a opinião pública – que mais não é do que a abjecta, muito parcial e demasiado facciosa Comunicação Social nacionale sempre com o beneplácito da estação (cada vez menos) pública de televisão – agora sem o prestimoso contributo de hélder conduto.
mas esta é só a minha opinião; certamente que haverá outras.

já agora e porque corre rápido (demasiado rápido até) o rumor do seu possível regresso, desde já exprimo o meu mais veemente repúdio a acontecer tal concretização.
sim!, que a minha memória não é curta e que, por mais indícios que sustentem que afinal, vai-se a ver não terão sido as £ibras boas a pesar na sua decisão, tenho para mim que não deveria ter abandonado o barco a uma semana do início oficial de uma nova época. mas ele fê-lo conscientemente pelo que, por muito grato que esteja pela fantástica época de sonho, p*tinha que o pariu. é que as turbulências na tripulação e as suas causas ainda se fazem sentir desde Agosto de 2011…

para finalizar e por muito que as suas opiniões sejam muito discutíveis (que o são, como todas as opiniões, mormente as de índole técnico-táctica), não posso deixar de destacar a seguinte passagem da última NORTADA, do nosso enfant terrible, Miguel Sousa Tavares, sob o título ‘CR triste’® visto do Brasil“:
© pasquim da Travessa da Queimada
(clicar na imagem para ampliar)
a todos os títulos, delicioso.
«varelar o jogo»… muito bom este neodragologismo, não é Jorge? 😀

post scriptum pertinente:

alertado pela posta de pescada“® do caríssimo Vila Pouca, confesso que também eu, mesmo em espírito de «tragédia» estou muito «orgulhoso» com o feito.
ao que me refiro? basta conferir nas (ilucidativas) imagens que se seguem:

© Miguel Lima (Tomo II) 
(clicar na imagem para ampliar)


(clicar na imagem para ampliar)


(clicar na imagem para ampliar)

«este é o nosso destino»:  
«a vencer desde 1893»! | winning since 1893!
beijinhos e abraços sempre! muito portistas!
Muito Obrigado! pela tua visita 🙂