‘nortada do dia’ (e um pouco mais)… [actualizado]

© pasquim do ‘sinhôre‘ serpa
(clicar na imagem para ampliar)
[ a mesma imagem com maior resolução aqui ]
caríssima(o),
da mais recente NORTADA, do nosso enfant terrible, Miguel Sousa Tavares (aqui) apenas refiro que não vimos exactamente o mesmo jogo, em Moreira de Cónegos. e, por mim, está tudo dito
entretanto, aqui,  deixo-te com uma carta aberta de António Simões ao jorge jejum – a qual traz incluso um interessante artigo de opinião do ‘sinhôre‘ fernando guerra (aqui).
e aqui e também aqui, uma excelente reportagem e/ou entrevista do periódico espanhol el país a Julen Lopetegui (aqui e aqui).

post scriptum:

1)

alertado pelo caríssimo Zé Luís e depois da leitura do comunicado oficial, o qual não apresenta qualquer justificação para tal (!), de facto e legitimamente pergunto se é desta forma que se pretende conferir alguma (já não afirmo dignidade, mas pelo menos) credibilidade à coisa?…

apuramento do segundo semi-finalista (quase) dois meses depois do do primeiro e a menos de vinte dias de distância da final?! 

mas isto faz algum sentido?!

quem elabora estas calendarizações (da treta) deve fumar mesmo muito daquilo que faz rir… só assim se compreende o ridículo da coisa

2) 

provocações à la Segunda Circular‘:

© google
(clicar nas imagens para ampliar)

e aqui, os motivos para a (justa) indignação do burro do Carvalho

disse!
Anúncios

de um clube abençoado [artigo de Pedro Marques Lopes incluído]…

caríssima(o),

eis-me de regresso ao teu salutar conBíBio.
faço votos para que tenhas tido uma entrada espectacular no NoBo Ano, de preferência junto dos que te são mais queridos, e que 2015 seja diferente, para melhor – sobretudo e mormente, em termos desportiBos.

principio por esse acontecimento que ocorre no nosso teatro de sonhos azuis-e-brancos, no primeiro dia de cada ano civil.
de facto, é impressionante como um simples treino aberto e numa altura em que há tantas outras ofertas onde se pode levar a família, consegue reunir mais público do que algumas partidas da nossa principal liga de futebol (muito pouco) profissional – alguns deles, inclusive em nossa casa… eis um pensamento solto que deveria fazer reflectir seriamente quem o dirige.

depois e sobre o que aconteceu ontem, em pleno Estádio do Dragão, dei comigo a pensar que, no próximo ano provavelmente também por lá marcarei presença, com o Guilherme e a esposa a meu lado. será uma excelente oportunidade para ele começar a conBiBer com uma realidade que, espero, venha a ser frutífera (por que assídua e inata). e como seria muito bom que este tipo salutar de acontecimento pudesse acontecer mais vezes ao longo da época desportiva, mesmo tendo em linha de conta os compromissos a que o Clube está sujeito e os constrangimentos da sua agenda. e, até, que com muito boa vontade e efectivo desejo de que tal possa acontecer, os obstáculos atrás referidos podem ser ultrapassados, por forma a que a massa adepta portista se sinta  mais unida ao Clube. pegando no exemplo do que pretendo fazer com o Guilherme, considero que será com iniciativas como aquela que também se transmite a tal mística do nosso FC Porto de geração em geração.
e foi então que dei (literalmente) de caras com este estrondoso artigo do Z, no (extremamente azulblue overlap e resolvi calar-me, para não repisar as suas ideias, com as quais estou inteiramente de acordo, subscrevo na íntegra e convido-te a (re)lê-las. não será tempo mal empregue, antes pelo contrário.

ainda em relação à impressionante moldura humana que esteve presente no (repito-me) nosso teatro de sonhos azuis-e-brancos, não deixa de ser assaz curioso como há «gloriosas» invejas que não se conseguem vergar, inclusive quando estas últimas têm a dura realidade dos números e dos factos para constatar, para debruçar e para analisar.
atente-se na dicotomia que a imagem abaixo apresenta:

(clicar na imagem para ampliar)

não que pretenda que o pasquim da Travessa da Queimada mude de cor e/ou de público-alvo; apenas que respeite os (poucos?) leitores afectos ao FC Porto que, tal como eu, ainda vão tendo estômago para o ler. é que, tal como o caríssimo dragão Vila Pouca, também eu não me esqueço do que se publicou em Dezembro de 2012

entretanto e assim finalizo, da edição impressa do pasquim da Travessa da Queimada, desta Sexta-feira, para lá do mais recente artigo de Pedro Marques Lopes está na hora!(aqui), na sua rubrica habitual BRASÃO ABENÇOADO, destaco a (também já de si) habitual entrevista ao Orelhas (aqui)*, por parte do entrevistado que também já é um habitué (nosso querido do “excremento” do Delgado)  um acontecimento que também marca presença religiosamente no início de todo o ano civil, nesse «glorioso» requentar de ideias e de projectos «gloriosamente» bafientos…
e então porque é que fazes a sua «gloriosa» divulgação, num espaço de discussão azul-e-branco?, estarás a perguntar para ti próprio e para os teus botões… principalmente porque é importante que se perceba como pensa o inimigo, e por mais que se considere que já se sabe (de) tudo sobre ele.

* por um qualquer motivo informático que me ultrapassa, a digitalização da dita entrevista ficou de pernas para o ar – um pouco à semelhança do que se passa lá por Carnide…
desde já te peço desculpa pelo sucedido e por eventuais transtornos que possa causar, sobretudo torcicolos…
para os evitar e poderes rir a bom rir com as alarvidades do Orelhas, sugiro que sigas estas indicações aqui

disse!

notas soltas do último final-de-semana desportivo… [‘nortada’ incluída]

(clicar na imagem para ampliar)

nota 1)

«
A segunda operação controversa [na sequência das buscas policiais realizadas Quinta-feira passada, pela unidade de combate à corrupção da Polícia Judiciária a instalações do Novo Banco, assim como ao local onde agora funciona o antigo BES] está associada à dívida ao BES do universo empresarial do presidente do 5lb, Luís Filipe Vieira, ‘o Orelhas‘, com créditos no banco liderado por Salgado, em 2012, da ordem dos 600 milhões de euros. 

O antigo administrador financeiro do BES, Morais Pires, reestruturou a dívida e colocou-a em fundos do BES Vida e da ESAF, o que permitiu retirar pressão sobre ‘o Orelhas, que deixou assim de constar na lista dos grandes devedores ao BES exigida pelo Banco de Portugal e pela Troika.

»

o excerto acima, que reproduzo para memória futura pois que, à semelhança de outras estórias a envolver personagens da agremiação de Carnide, temo que venha a cair no esquecimento , refere-se a esta notícia aqui, de autoria do jornal Público e que, à data e hora, (literalmente) ainda não vi (claramente visto) replicada em mais qualquer órgão dessa esmagadora maioria da nossa abjecta, muito parcial e demasiado facciosa Comunicação Social nacionale sempre com o beneplácito da estação (cada vez menos) pública de televisão  agora sem o prestimoso contributo de hélder conduto).

no fundo, trata-se do mesmo silêncio cúmplice a propósito destrouta aqui, datada de Novembro de 2013 (curiosa esta coincidência de datas…), também a envolver entidades bancárias falidas e com o mesmíssimo protagonista que «deixou de constar na lista de grandes devedores»

nota 2)

© pasquim do ‘Quim Oliveirinha
(clicar na imagem para ampliar)

não fui o único, nesse maravilhoso mundo que é a bluegosfera®, a afirmar que, no último encontro para o Campeonato, frente ao Rio Ave, fomos beneficiados pela arbitragem de um (no mínimo) desastrado olarápio benquerença; aliás, a imagem acima traduz bem a sua incompetência ao mais alto níBel, assim como esta aqui:

© pasquim do ‘sinhôre‘ serpa
(clicar na imagem para ampliar)

eis o que escrevi no passado Domingo e para que não restem dúvidas:

«

por último, é impossível não me referir a olarápio benquerença.
fez uma arbitragem digna do seu perfil: infeliz. aliás, muito infeliz e muito miserável, mormente no capítulo disciplinar, prejudicando «ambas as duas» equipas

e onde há quem veja um corte com a mão do Herrera, logo a seguir ao golo portista, em vejo um remate à queima, com o mexicano a não ter tempo de reacção suficiente para tirar o braço do seu movimento natural. mas, à luz (expressão propositada) da volumetria e das leis de jogo a la pedro henriques, até concedo que possa ter havido grande penalidade – as mesmíssimas leis de jogo que, aos 44′ já teriam expulso Wakaso por acumulação de amarelos…

»

mas e para que não restem mesmo dúvidas do quão beneficiados nós fomos, sobretudo numa jornada onde (i) o Vitória de Guimarães conseguiu o empate graças à simulação grosseira de um seu jogador na grande área do Moreirense e em que este último viu ser-lhe anulado um golo, perto final da partida, por fora-de-jogo inexistente; onde (ii) o spórtém, num jogo em que o Setúbal não existiu, só consegue desbloquear o jogo num golo que nasce de um lance irregular; onde (iii) o 5lb, mais uma vez na presente temporada, consegue a tranquilidade em Coimbra graças ao que as imagens abaixo não deixam dúvidas:

© google
(clicar na imagem para ampliar)

© pasquim do ‘sinhôre‘ serpa
(clicar na imagem para ampliar)


de facto, é preciso ser-se (no mínimo) néscio o suficiente para, depois do que atrás (re)escrevi e depois do que já aqui foi revelado, aparecerem por aqui uns lampiões a intimarem-me a ser «intelectualmente honesto».
para estes últimos, tão «gloriosamente» preocupados com a sua estrita verdade desportiva, relembro-lhes que os «roubos de catedral»,  não ocorrem só para o Campeonato, mas também nos jogos para a Taça de Portugal:

© pasquim do ‘sinhôre‘ serpa
(clicar na imagem para ampliar)

© lixo tóxico do grupo cofina
(clicar na imagem para ampliar)

nota 3)

porque, para lá de ser um «gaijo do puôrto» (mas que grande malha dos Trabalhadores do Comércio, car@go!), sou um gajo porreiro, mais do que divulgar à saciedade a tal entrevista de vítor pereira ao lixo tóxico do grupo cofina (aqui)  e que o caríssimo Jorge Vassalo brilhantemente abordou aqui , divulgo a tal entrevista do nosso Incrível (aqui) ao pasquim editado pelo sinhôre serpa.

mas porque é que o faço mesmo (e para lá de ser um porreiraço)?

sobretudo porque escrevi um comentário no dragão até à morte que rezava assim: «depois do Jav(al)i Garcia, do Gagay, do Danny e hoje do Witsel, será que no pasquim da Travessa da Queimada vao entrevistar o Hulk?»

nota 4)

no ano passado, não terá havido um só portista que não se tenha sentido humilhado com as gaffes de Paulo Fonseca, sobretudo as de índole geográfica.
e, no jornalixo tuga, não terá havido um só pé-de-microfone rafeiro que não o tenha gozado por tal.
este ano e depois da eliminação das competições europeias, ainda estou para descobrir alguém deste último – o tal jornalixo tuga – que os tenha no sítio para gozar o «catedrático» de igual forma, por mais uma «gloriosa» calinada, se possível, desta forma aqui.
é que será sempre interessante ler prosas do “excremento” do Delgado, como esta aqui, a defendê-lo até à exaustão dos maus

nota 5)

três grandes escritos, com os quais concordo em absoluto e na íntegra:

» somos os suficientes(aqui), de Pedro Marques Lopes;

» a NORTADA quem semeia ventos, colhe lamentos (aqui), indecentemente sacado ao caríssimo Vila Pouca, que motivou pronta reacção do burro do Carvalho, que levou a devida resposta e em tempo útil;

» o tempo, esse grande apagador(aqui), igualmente do enfant terrible Miguel Sousa Tavares.


disse!


de dois abençoados textos… [actualizado e ‘brasão abençoado’ incluído]

© google

«

[…]

Pode ir para um camarote…

Sou anti-camarote! Tenho convites, mas recuso tudo. É a única forma de manter a independência e a idoneidade, e as pessoas poderem acreditar no que eu digo. Acho que isso é vital para quem dá opinião e para quem é jornalista profissional. Há muita gente que passa da área da Comunicação Social para os clubes… Eu respeito!

Nunca o convidaram?

Eu não sei o dia de Amanhã, mas a minha postura não é preparar o caminho para chegar a qualquer coisa, que é o que acontece muito regularmente. 
Eu gostava de morrer jornalista. São quase 40 anos, passei por muita coisa… Acompanhei a geração de ouro, poderia ter-me tornado empresário, poderia ter-me tornado um homem excepcionalmente rico, se tivesse apetência para o negócio. Mas a única coisa que sempre quis foi ser um jornalista idóneo. 

O que lhe pergunto é: já surgiram convites?

Se não tivesse optado pela crítica independente, de uma forma tão abnegada, hoje poderia ter um lugar de destaque no dirigismo desportivo. Levar tão a sério o meu exercício de independência e equidistância porque é assim que entendo o jornalismo de opinião , coloca-me apenas na posição de observador. E ainda bem… 
O Futebol tem um lado luminoso que me fascina; mas tem um lado sujo que me enoja… 
Directamente, convites formais, não. Conversas, houve.

Acredito que de todos os clubes menos do FC Porto.

O FC Porto, bom… eu gosto mesmo muito da cidade do Porto. Tive uma fase em que ia muito ao Porto e tinha muita gente que me recebia muito bem. 
Em relação ao FC Porto, a mesma coisa. Quando me começo a perceber, nas décadas de 80 e de 90, que a verdade desportiva estava a ser atraiçoada com um conjunto de arbitragens muito facciosas, comecei a escrever. E comecei a ser perseguido! Ponto!

Mas o final da década de 1990 também não foi um período brilhante para o Benfica, e não há essa animosidade.

Perceba que eu não tenho nada contra o Porto nem contra o FC Porto. Eu jogava muito à bola e adorava! Aliás, a única vez que vesti a camisola de um clube foi uma do FC Porto!

Em que contexto?

Deveria ter uns 20 e poucos anos… Fomos jogar e alguém deu-me uma camisola do FC Porto e eu equipei à FC Porto! É claro que, quando se tem o guarda Abel à espera, quando se passa por situações difíceis de pressão, de coação… ninguém gosta! 
Podem perguntar-me: mas isso só aconteceu no FC Porto? Eu responde que não!. Também passei maus momentos em Alvalade. Nas assembleias-gerais, no tempo do João Rocha, que foi uma pessoa de quem construí uma imagem muito positiva, pelo que fez pelo spórtém e pelo futebol em geral… mas fui bastante acossado. 
Hoje relativizo isso tudo… Isso não faz que eu tenha qualquer má vontade para com o FC Porto, mas é uma coisa que tem que ver com uma realidade, num determinado momento, em que percebi que, independentemente dos méritos, havia coisas que aconteciam ao nível da arbitragem que não faziam sentido.

O problema do FC Porto é Pinto da Costa?

Pinto da Costa foi muito importante para a afirmação do clube. Essa afirmação teve muito que ver com o combate aos clubes de Lisboa. Acho, sem o conhecer muito bem, que ele é uma pessoa muito agradável para os seus amigos e para os seus correligionários. Aquelas pessoas que… 

Agora há o “caso” do Rui Moreira… 

Portista, que ele apoiou de alguma maneira… Mas foi mais contra o Rui Rio do que propriamente a favor. E porque não é um yes man!, não faz exactamente tudo aquilo que o presidente Pinto da Costa gostaria que ele fizesse, já se incompatibilizou com ele! 
É isto que eu não consigo entender: as instituições têm muita força, podem encher-nos de orgulho, podem ocupar-nos horas da nossa vida, mas era o que faltava que mandassem em nós!
Acho que Pinto da Costa, tal como muitos homens que marcam, têm um problema: por vezes acham que se devem eternizar nos cargos. 
Pinto da Costa está numa fase de negação relativamente a uma evidência: já passou o tempo dele.

[…]

»

caríssima(o),

obviamente que o excerto da entrevista de Raquel Costa, do Jornal de Notícias, à «ratazana» do rui “prantos (aqui) não se contempla nos dois textos que, no título desta curtíssima posta de pescada®, adjectivo de abençoados.
aqueles mais não são do que a última NORTADA, do nosso enfant terrible, Miguel Sousa Tavares, sob o título o que fica da nona jornada (aqui) e, claro está, o mais recente BRASÃO ABENÇOADO, de Pedro Marques Lopes, o caminho faz-se caminhando (aqui).

sobre aquela entrevista e que tive conhecimento da dita graças ao caríssimo Zé Luís, no extremamente azul independente portistas de bancada, mas que escolheu outro excerto da mesma.
eu optei pelo excerto em causa graças àquela referência (certamente que muito) singela em que a «ratazana» afirma que tece considerandos sobre uma pessoa mesmo «sem o conhecer muito bem».

pois eu e «sem o conhecer muito bem» – ao rui “prantos, entenda-se!  acho que ele é um autêntico filho da p*t@ e, até opinião em contrário.
eu sei que haverá quem o considere um parvalhão da merd@ e/ou um pavão do car@**o e/ou um emproado armado ao cag@lhão… são opiniões que eu respeito. mesmo assim mantenho que ele é um autêntico filho da p*t@. e mesmo «sem o conhecer muito bem»

post scriptum pertinente:

© Tomo II
(clicar na imagem para ampliar)

«

[…] és muito rápido a acusar os outros, mas escreveres sobre os da tua laia… está queto [sic]!!! abre mas é a pestana, pá! vocês são todos farinha do mesmo saco!!! e já sei que não vais ter tomates para publicar este comentário, mas vais ter que lê-lo!!! 

»

adoro estas posições de força:
ah! e tal! esta é a minha opinião… é contrária à tua…. toma lá meia dúzia de insultos… e agora tem «tomates» para publicar o que acabaste de ler.
dou-lhes tanta relevância como a um golo do spórtém depois de 31 passes feitos… e ainda há quem questione a posse de bola e a objectividade do jogo que Lopetegui quer implementar no nosso FC Porto
mesmo assim, vou responder ao palonço.

páhzinho, as leituras do lixo tóxico do grupo cofina estão a influenciar decididamente os teus tico e teco, os quais, diga-se em abono da Verdade, já não regulavam lá muito bem.
então tu tens a p*t@ da latosa de quereres comparar o que se passou em Bilbau com o que ocorreu em Salamanca?!
como já deu para depreender que a Inteligência passou por ti enquanto ressonavas e nem te disse adeus!, eu explico-te resumidamente a dissonância que se verifica entre os dois episódios.
no primeiro, o lixo tóxico do grupo cofina (in)tentou fazer passar a ideia de que a claque portista tinha despoletado incidentes em pleno centro de Bilbau, a caminho de San Mamés. o que se verificou é que foi precisamente um grupo de ultras radicais, afectos ao Athletic, que provocou a comitiva portista…
já em Salamanca, o que aconteceu foi em tudo idêntico ao que «alegadamente» terá acontecido em Braga, em 26 de Outubro último (bastante recente, portanto), mas que ninguém duvida da cor (e da «gloriosa» proveniência) de quem esteve na origem dos distúrbios.
«ambos os dois» sabemos que energúmenos existem em todo o lado, até nas caixas de comentários de blogues afectos ao quotidiano azul-e-branco, quando aqueles não são adeptos desta cor…

por último, num registo completamente diferente e como escrevi no bibó FC Porto, car@go!:

«

como se pode consultar aqui [para a visita à Amoreira] saiu-nos na rifa Artur Soares Dias…
e que haverá muita “paixão” na Madeira…

portanto, [há a necessidade de comedimento, para as jornadas que se seguem e] às cautelas e aos caldos de galinha que teremos que ter. e aos caldinhos que por aí virão…

»

disse!

dessa «gente muito perigosa no Futebol»…

© google
caríssima(o),
as férias estão a terminar – ainda haverá o final-de-semana, é certo -, mas o bichinho de permanecer em contacto contigo não partilha dessa interrupção destinada (também) ao descanso do corpo e da mente. portanto, eis-me aqui! outra vez! ainda que não directamente da cidade InBicta, mas antes um pouco mais a Sul, neste distrito aqui. aliás, mais concretamente daqui
adiante!

desde já informo que só me pronunciarei acerca da nossa «armada espanhola» quando o plantel da equipa principal de futebol, do nosso clube do coração, estiver fechado  o que ocorrerá sensivelmente até ao dia 01 de Setembro, que é a data oficial de encerramento do mercado de transferências de jogadores na Europa, pelos vistos definida pela FIFA, e a julgar pela credibilidade do cronómetro da EPFL (sigla inglesa para Associação Europeia de Ligas Profissionais).

até lá, até essa data, não contem comigo para animar o seu mercado virtual, pois que não possuo qualquer inside information, digna desse epíteto nome na SAD azul-e-branca e tudo o que (não) sei devo-o à devoção de muitos bloggers, nesse maravilhoso mundo que é a bluegosfera®.

mesmo assim, e porque está a ser uma temática recorrente, inclusive nalguns comentários menos abonatórios e indignos de serem publicados neste espaço de discussão pública, também eu não posso deixar de concordar com as palavras de Pedro Marques Lopes, na edição impressa do pasquim da Travessa da Queimada desta Sexta-feira, na sua rubrica BRASÃO ABENÇOADO, sob o título pertinente ai tanta preocupação… e que foi difundida à saciedade no dragão até à morte, e graças à paixão e ao fervor clubista do caríssimo dragão Vila Pouca.

para todos os nossos «gloriosos» detractores, o meu mais veemente silêncio – no sentido em que falaremos melhor lá para Maio. agora, não posso deixar de expressar o meu sentimento de confiança no Futuro, inclusive no mais imediato. e de vincar que isto (do Futebol) não é só como acaba; também é como começa. e que estou a gostar bastante dos indícios do que foi a planificação da presente temporada, «apenas e só» pelo que tem sido tornado público, i.e., veiculado na Comunicação Social.

entretanto, porque hoje «é Sexta-feira, yeah!», e para quem estiver interessado, na segunda parte desta posta de pescada®, deixo-te com a minha análise a (i) um artigo de opinião e a (ii) uma entrevista, «ambos os dois» do melhor que se publicou na edição impressa do pasquim editado pelo belenenese” do sr. serpa, e que foram o mote para o seu (muito pertinente) título.

tal acontecerá já a seguir, a partir de um no pare, sigue, sigue ali mais abaixo, logo depois do «gosto» do faceboKas®.

somos Porto!, car@go! 
«este é o nosso destino»:  

beijinhos e abraços sempre! muito portistas!

Muito Obrigado! pela tua visita 🙂

© pasquim do sr. serpa
(clicar na imagem para ampliar)

i)

como referi ali atrás/em cima, vou principiar esta segunda parte pelo que de melhor se pôde ler no último artigo de opinião de um jornalista que Fernando Mendes, em Jogo Sujo, descreve nos seguintes termos:

«Fui confrontado com a hipótese de rumar ao 5lb por duas figuras do jornalismo nacional e em especial da Imprensa desportiva: Leonor Pinhão, assumida lampiã(o), do pasquim da Travessa da queimada, e joão (nada) bonzinho, que também pertence ao mesmo jornal e que nunca fez questão de negar as suas cores clubistas. Foi-me dito que ambos tinham ligações muito próximas com a direcção do 5lb.»

eis a “pérola literária”:

«

Já o disse Jorge Jejum” que aquilo que está a acontecer ao 5lb é o preço do sucesso. O que diz o treinador encarnado pode ser, obviamente parte da razão. Os jogadores brilharam na última época, ganharam mais mercado, tornam-se mais desejados e ligam-se a clubes mais poderosos financeiramente. Tudo normal. Mas não é difícil compreender que a razão da sangria na Luz não será apenas essa.

[…]

Deu o 5lb resposta ao mercado e deu resposta às suas necessidades claras: fazer receita, baixar o tecto salarial e cuidar preventivamente o melhor que lhe fosse possível da dependente relação de uma entidade bancária que acaba de mostrar uma crise surpreendente.

A questão, para os lampiões, não está tanto em compreenderem essa realidade. Se ela for bem explicada, volto a repetir o que já aqui deixei escrito: julgo que os adeptos e sócios da agremiação de Carnide a entendem. A questão maior, nesta altura, é a de saberem se a coisa fica ou não fica por aqui.

[…]

Não sei como aceitarão Gáitan e Enzo a decisão do clube de os manter sob o contrato que ambos têm em vigor. Talvez Gáitan aceite melhor esse destino, pelo menos é o que tem mostrado nos jogos de pré-época, aos quais foi, na maioria das vezes, chamado a vestir a nova camisola 10 que lhe foi entregue.
Há, para todos os efeitos, no ar uma ideia – cada vez mais clara – de fragilidade financeira na agremiação de Carnide, que naturalmente legitima decisões realistas, sobretudo, de fazer diminuir bastante a chamada conta de exploração – o que se paga ao fim do mês -, e o 5lb estava a pagar, na última época, realmente muito ao fim do mês.

Não querer vir a enfrentar situações de salários em atraso – ou outras do género – só enobrece a gestão lampiã, e se é nesse sentido que o clube decide cortar nas despesas não será difícil explicá-lo aos lampiões e julgo que não será difícil a estes compreendê-lo. Mas é suposto ver um clube com a dimensão do 5lb fazer tudo isso com equilíbrio, porque tem uma imagem e uma História a defender, mais a expectativa e as emoções dos adeptos, mais os títulos conquistados em Maio.
Não se percebe, por exemplo, como foi o 5lb incapaz de chegar (como se sabe que queria) mais cedo ao jovem brasileiro Casemiro que o Real Madrid veio a emprestar ao FC Porto. Podemos especular com a eventual retaliação madrilena ao surpreendente negócio da venda por apenas seis milhões de euros aos russos do Zenit do argentino Ezequiel Garay, cujos direitos económicos estavam em 50 por cento na posse ainda do clube espanhol.

[…]

Mas se é verdade, como se especula em Espanha, que o Real Madrid se sentiu enganado no negócio Garay (alguém faz o favor de explicar como se vende um jogador como o defesa-central argentino por apenas seis milhões de euros?!…) não poderia o 5lb esperar que os madrilenos emprestassem Casemiro para a Luz. Para doer mais, o Real Madrid não apenas não o emprestou a5lb e como 5lb tanto queria (mesmo que isso seja agora desmentido) como ainda o emprestou ao FC Porto, como o FC Porto também tanto precisava depois da saída de Fernando.

[…]

Escrevi há uma semana que Jorge JeBus tem o que não têm muitos treinadores: tem estatuto, e o estatuto é muito importante no trabalho de um treinador. Mas não lhe faz a equipa.

»

ou seja: 

não basta «ter estatuto» para se ser vencedor; há que demonstrá-lo, inclusive nas atitudes. felizmente que, fora das nossas fronteiras políticas, há quem reconheça a devida competência, não só na promoção dos interesses desportivos dos jogadores, mas também na gestão eficiente dos seus direitos económicos. é, como se sabe, uma questão supremamente hegemónica…

ii)

recordas-te do que aconteceu nas últimas eleições para a presidência da Liga de Clubes? do tal golpe palaciano?
pois bem… um dos artistas que o promoveu e uma das suas principais figuras, qual «fiel escudeiro», resolveu colocar a boca no trombone e dar a conhecer ao públicozinho a sua versão dos acontecimentos – mormente da sua visão a propósito das deliberações constantes no último acórdão do Conselho de Justiça da FPF, as quais vieram decidir em seu prejuízo… mais uma vez, o pasquim editado pelo sr. serpa foi o veículo da propaganda dos derrotados. nada de admirar, vindo de um órgão de comunicação que prima pela Isenção, Imparcialidade e Rectidão profissionais… aliás, não é de agora que o nosso querido líder se queixa desse pasquim; recordo-me, por exemplo, deste (imemorial) sketch, corria o ano (agora longínquo) de 1984, com uma referência bastante subliminar (como é seu timbre)…
adiante!

na tal entrevista, com uma manchete bombástica  acórdão do Conselho de Justiça é uma grande encomenda! , o “jornalista” carlos rias foi o pé-de-microfone das seguintes afirmações:

«

[…]


há uma norma, destes últimos vinte anos: a de que quem aparece a combater o “sistema das trevas e da corrupção” é imediatamente fustigado e vai direitinho para a fogueira. o último foi ricardo costa, logo colocado em cima dos paus, para lhe pegarem fogo.
estou na senda. isso significa que as minhas decisões e a minha postura, estavam correctas e na direcção certas. é necessário limpar tudo isto e afastar, de vez, as trevas. foi nesse sentido que fui decidindo, enquanto estive no meu cargo de Presidente da Mesa da Assembleia-Geral da Liga.
eu vou continuar por cá e vou continuar no futebol, sem medo de ninguém.

[…]


o acórdão refere que indeferi liminarmente a proposta feita em pleno acto eleitoral e manda proceder disciplinarmente contra mim. isto é fantástico! em suma: as trevas vão voltar e esta é a minha primeira conclusão de tudo isto. 
a segunda conclusão é a de que sou do 5lb. e hei-de morrer a ser d5lb. mas sei que, enquanto Presidente da Mesa da Assembleia-Geral da Liga, não fiz nada para prejudicar outros clubes. lutarei sempre é contra as “trevas”.
como as coisas caminham, 5lb vai ficar mais dez anos sem ganhar nada; ao spórtém vai acontecer o mesmo; a 5lbtv acaba e regressa o império. e quem não quiser entrar no sistema e na roleta, quando puser o pé no risco, vai imediatamente para o assador.
no futebol eu conheço-os a todos, um a um, e não admito sequer que me comparem ou misturem com indivíduos que são corruptos, condenados por corrupção e que andam a bater no peito, a apregoar a moralidade e a dizer mal de todos os outros que não navegam nessas “trevas”. essa gente é muito perigosa!

[…]


fernando seara? não o conhecia, vi-o e ouvi-o na 5lbtv2, a defender, com unhas e dentes, o sr. Joaquim de Oliveira e a Olivedesportos, e sempre contra a centralização dos direitos televisivos na Liga. enquanto lampião, se um dia estiver a ver um jogo do Carnide e fernando seara estiver por perto, levanto-me e vou-me embora.
gosto muito de ir ao antro de Carnide, ver o 5lb, mas há coisas que me atiram ao ar. se ainda fosse jogador de futebol e se dentro das quatro linhas apanhasse essa gente pela frente, arrancava-os pela raiz! mas como já não é possível…

[…]


a diferença entre essas pessoas e a minha, é que eles falam por meias-palavras e eu digo logo as coisas na cara. eles são do tamanho um do outro [fernando seara e rui alves]. desafio-os a dizerem-no na hora! e que o digam logo para eu explicar o que sei. quem está desempregado é fernando seara, não sou eu, que tenho bom emprego felizmente! os clubes têm medo deles, mas eu não tenho!

»

considero que não haverá nada mais a acrescentar a este autêntico n-o-j-o.
as afirmações atrás reproduzidas, (também) para memória futura, falam por si.